14 anos com músicas brilhantes

Atualizado terça-feira, 12/01/2016 |10:10

Dez canções emblemáticas de David Bowie: qual a sua preferida?

David Bowie participa dos ensaios da peça musical "Lazarus", no final de 2015, ao lado do diretor Ivo Van Hove. O espetáculo estreou em circuito off-Broadway em Nova York no início de janeiro.


Segundo a revista “Rolling Stone”, foi um das períodos criativos mais produtivos e duradouros da história do rock.

No entanto, nos últimos 30 anos, a produção de Bowie foi irregular, ainda que sua faísca criativa tenha voltado a dar frutos nos seus primeiros álbuns do século 21, de acordo com os críticos.

Confira a seguir uma seleção de dez canções emblemáticas da carreira de David Bowie.

1. ‘Life on Mars’

Essa balada do álbum” Hunky Dory” (1971) conta uma história simples: uma menina solitária que tem pais malvados vai ao cinema para escapar de seus problemas.
Com um arranjo de cordas e pianos feito pelo compositor inglês Rick Wakeman, a canção mostra a melhor versão de Bowie como cantor.

2. ‘Heroes’
Do álbum de mesmo nome (1977), é uma das primeiras músicas claramente “comerciais” de Bowie.

Foi escrita com o compositor inglês Brian Eno e começou como uma canção instrumental. Foi só ao final da sessão de gravação que Bowie acrescentou a letra, que trata de dois amantes em lados opostos do muro de Berlim.

Seu status cresceu com os anos e, hoje, é considerada uma das melhores composições do músico britânico em meio a seu amplo catálogo.

3. ‘Space Oddity’
Foi originalmente lançada como um single em 1969, quando Bowie ainda tentava encontrar a fama.

Resultou de uma colaboração com o cantor inglês Elton John e o produtor inglês Gus Dudgeon. Sua gravadora adiantou seu lançamento para que coincidisse com o pouso da missão Apollo 11 à Lua.

Apesar de ter figurado nas listas de mais vendidas no Reino Unido, não conferiu a Bowie o sucesso que se esperava.

4. ‘Starman’
Está no legendário disco conceitual “The Rise and Fall of Ziggy Stardist and the Spiders from Mars” (1972), considerado pelos críticos como uma obra-prima.

Em poucas palavras, a canção conta a história de um extraterrestre que chega à Terra e toma o corpo de uma pessoa que dar a ela esperança na humanidade.

Converteu-se no primeiro grande sucesso de um álbum muito celebrado não só pela crítica, mas também pelo público.

5. ‘Changes’
Foi originalmente lançada no álbum “Hunky Dory” (1971), mas só fez sucesso anos depois, quando Bowie decidiu atualizar sua imagem.

“Fiquem atentos, roqueiros”, disse ele de modo profético, “Logo, começarão a envelhecer um pouco.”

Virou um símbolo da metamorfose pela qual passou o músico ao longo de dois anos.

6. ‘Ziggy Stardust’
A canção descreve o alter ego de Bowie durante a década de 1970. Ziggy Stardust é surdo e muito pálido e tem olhos e cabelos estranhos, além de um “traseiro dado por Deus”.

Alguns acreditam que a música se refere ao guitarrista americano Jimi Hendrix, mas Bowie disse em certa ocasião que, ao compô-la, pensou em Vince Taylor, um cantor britânico de rockabilly relativamente desconhecido fora do Reino Unido.

De qualquer forma, converteu-se em uma das canções mais amadas do repertório de Bowie.

7. ‘Ashes to Ashes’
Pertence ao disco “Scary Monsters (and Super Creeps)”, de 1980.

Onze anos depois de Space Oddity, Bowie decidiu revisitar o astronauta fictício deste álbum, o Major Tom. Na época, o músico saía de um longo de período de vício em drogas.

“Sabemos que Major Tom é um viciado / Estendido no alto do paraíso / Atingindo seu ponto mais baixo / Novamente, digo a mim mesmo / Ficarei sóbrio nesta noite”

“Ashes to Ashes” foi um êxito em todo o mundo.

8. ‘Rebel Rebel’
Inicialmente escrita para um musical de Ziggy Stardust que não vingou, a canção foi gravada em 1974 próximo a Amsterdã, na Holanda.

Foi o último single de Bowie em sua era glam rock, que, até então, havia sido sua marca registrada.

O riff de guitarra com que começa a música parece ser feito por Keith Richards, dos Rolling Stones, mas, na realidade, é o próprio Bowie que faz soar as cordas.

“Rebel Rebel” fala dos fãs de glam rock, particularmente as mulheres: “Você quer mais e quer mais rápido”.

Foi um grande sucesso. Bowie poderia ter repetido essa fórmula durante anos, mas decidiu buscar novos rumos.

9. ‘Fame’
Foi lançada em 1975 e chegou ao todo da lista de sucessos da revista Billboard. Apareceu no momento em que Bowie lutava para encerrar seu contrato com o seu agente, Tony Defries.

O músico estava neste momento em Nova York, onde conheceu o ex-Beatle John Lennon. Ambos começaram a tocar juntos e, certo dia, foram gravar no célebre Electric Lady Studios.

Ali, o produtor e guitarrista porto-riquenho Carlos Alomar criou para Bowie um riff para reinterpretar Footstompin, do grupo americano The Flairs.

Bowie pensou que era um “desperdício” usá-lo em uma canção alheia. Lennon cantou, então, “aim” sobre o riff, o que Bowie transformou em Fame, para logo escrever o resto da letra.

10. ‘Let’s Dance’
É a principal canção do álbum de mesmo nome, de 1983, e é um dos maiores sucessos comerciais de Bowie.

O solo de guitarra no final é interpretado pelo músico americano Stevie Ray Vaughan, um herói do blues que morreu em um trágico acidente de helicóptero em 1990.

Let’s Dance se transformou em um hino dos anos 1980.

 

Fonte: Uol.com

Florencio Neto

Florencio Neto

Titular do Programa ''Forrozão do Senador'' na Rádio Princesa do Vale. Horários; Das 16h às 18h - de Segunda à Quinta. Das 16h às 17h - nas Sextas.
http://radioprincesadovale.com