Saúde

Atualizado sábado, 09/07/2016 |10:22

Coordenador de endemias diz que redução de casos de dengue não deve gerar relaxamento no combate à doença

O perigo não acabou. Baixou o índice, mas a população tem que continuar atenta fazendo a sua parte, disse Wallace Stoessel


Coordenador do setor de Endemias da Secretaria Municipal de Saúde, da prefeitura do Assú, o agente comunitário de saúde Wallace Stoessel Avelino Tavares lança um alerta. Ele prega que a população não deve esmorecer no tocante as ações de prevenção e combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue e outros males, mesmo diante da constatação de que houve diminuição de casos de dengue na cidade.

Houve uma diminuição no número de casos de dengue no município a partir da utilização do fumacê e a adoção de outras medidas. O perigo não acabou. Baixou o índice, mas a população tem que continuar atenta fazendo a sua parte, limpando os muros, e não relaxar. Pelo menos uma vez por semana a população deve fazer a sua parte para que a cidade continue como uma área tranquila”, salienta Wallace Stoessel acrescentando que a população pode fazer um trabalho mais eficiente do que os agentes.

O coordenador do setor de endemias da Secretaria Municipal de Saúde também destacou as ações de combate ao inseto que transmite a doença de chagas, salientando que o trabalho está acontecendo de modo mais acentuado na área rural de Assú.

Começamos um trabalho na comunidade de Trapiá com a equipe de combate a doença de chagas recolhendo o barbeiro quando for o caso de encontrar, e orientar as pessoas quanto as medidas preventivas que devem ser adotadas. Várias outras comunidades já foram visitadas e outras também serão. As equipes de combate ao calazar, chagas e dengue continuam em atividade”, explicou.